Trocaram-se armas por torneiras

É curioso como se conseguiu fazer tudo em poucochinho tempo. Então não havia falta de efectivos na GNR? Não existia a FEB? Formada, preparada e com provas dadas no combate a incêndios? Pois parece que não.

O que à primeira vista parece não fazer sentido juntar no mesmo saco, para os mais de 1000 que integram as 7 companhias distribuídas por 11 distritos do nosso país faz, falo do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS).

O nosso governo resolveu tirar cerca de 500 operacionais dos postos territoriais, para compor as equipas de 1º combate aos incêndios dos GIPS, deixando assim postos da GNR sem efectivo para assegurar o patrulhamento. Piada? Pois parece que não. No entanto, parece que para tapar à frente o Governo tirou a mão de trás, e o Ministério da Administração Interna lá abriu um concurso para 600 novos guardas, mas com uma formação encurtada de 9 meses para apenas 3, passando de imediato para o estágio no terreno.

“O nosso governo resolveu tirar cerca de 500 operacionais dos postos territoriais, para compor as equipas de 1º combate aos incêndios dos GIPS, deixando assim postos da GNR sem efectivo para assegurar o patrulhamento. Piada? Pois parece que não.”

A técnica do “em cima do joelho” não se fica por aqui, e os efectivos que passaram a integrar os GIPS, receberam uma formação compactada em 4 meses, enquanto que à sua semelhança um bombeiro, um elemento da FEB tem no mínimo um ano de formação para poder combater as chamas. Não se pode esperar que estes 4 meses se consigam equiparar a um trabalho de anos dos outros profissionais passados agora para segundo plano. Como se não bastasse, as fardas tardaram, os carros vieram faseados, e os helicópteros mesmo a tempo de levantar. Com isto, é óbvio que a experiência não se compra, é preciso tempo. E mesmo sem esse tempo, a imagem foi bem melhor do que a do ano anterior.

Agora ficam os militares de prevenção e apoio aos postos locais.

Vamos  esperar que o Governo se lembre de apostar o resto que faltou na formação (e mais ainda), dos homens e mulheres que apesar de tudo cumprem ordens e ao que sabe, e do que se viu, com disciplina, rigor e eficácia.

João Marmelo

Secretário-geral Adjunto | JSD Distrital de Santarém