Diz-me com quem andas, dir-te-ei como governas

Admiro-me, fico mesmo estupefacto, quando se diz que um país é bem governado, que está bem, quando um anterior Primeiro-Ministro, da mesma cor política, da mesma ala que o actual Governo, está a ser julgado pelos crimes mais atrozes contra a Nação, contra Portugal.

Será que nos esquecemos, que não queremos ver?

Retirando-lhe o cunho político, e fazendo uma análise fria e justa da situação como um todo, este é o atentado do século contra a Nação. Não nos devíamos esmorecer, esquecer do impacto contra a democracia.

Dir-me-ão que o processo ainda está a decorrer e que só depois podemos aferir de responsabilidades – é certo! Contudo, estar sequer nesta posição, enquanto país, estar perante tal atrocidade, fere a nossa identidade.

“Não nos esqueçamos desta identidade, do Portugal capaz, do Portugal certo. E aqui, neste caso, nesta dita “excepção”, como dizem alguns, vamos criar um espelho para o futuro, onde se diz que tudo se pode fazer, que se pode utilizar e abusar deste tipo de posição, do uso fácil do poder.”

Por isso mesmo, e porque somos o espelho de com quem convivemos, não consigo acreditar no bom desempenho deste Governo, não só pelas suas medidas, mas pelos próprios membros que dele fazem parte, porque ainda não há muito tempo, foram eles que nos levaram à bancarrota.

Dá que pensar….

João Catarino

Vogal da Comissão Política | JSD Distrital de Santarém